terça-feira, 27 de setembro de 2011

Happy Rock, que negócio é esse?

O rock brasileiro se renovou? Onde está a qualidade da música brasileira atual? Por onde anda a "rebeldia", a poesia, as críticas nas letras das canções? E o som pesado que incomodava qualquer vizinho? Pois é, foram substituídos, por nada menos que letras aparentemente felizes, roupas coloridas, arranjos simples e muitos efeitos computadorizados. É o chamado Happy Rock (Rock Feliz), ou melhor, o rock afrescalhado, tendo como principais representantes as bandas Restart, Cine, Hori, Replace, capitaneadas por teens bem comportados (seria para alegria dos pais da nova geração?).
O termo "Happy Rock" surgiu com a música "Happy Rock Sunday" do Restart, e com o projeto que a banda criou chamado Happy Rock Sundays, que se trata de uma série de shows da banda realizado aos domingos no palco do HSBC Brasil, em São Paulo, contando com convidados especiais. Foi esse projeto, somado com as várias bandas coloridas iguais ao Restart que ajudaram a popularização do termo Happy Rock.
Por ordem de aparição/sucesso na mídia, a banda precursora desse movimento foi o Cine, que piorou ainda mais o cenário musical com seu estilo emo (entendo que o termo correto seria ema) renovado que, segundo a própria “banda”, é um Rock mais feliz e alegre, espelhado nas roupas coloridas.
Qualquer pessoa sabe que o Happy Rock não se inspirou no Rock de verdade para nascer. Além do Emocore, essas foram grandes influências. Indiscutivelmente, o Happy Rock deve muito aos Teletubbies (favor não confundir com Restart, nem os Teletubbies merecem tal comparação).
Outra grande influência do gênero são os Power Rangers, que influenciaram no número de integrantes das bandas (cinco) e o seu público-alvo. Mesmo tendo começado cedo, o Happy Rock já tem características marcantes. Algumas (a maioria) copiadas do Emocore, e outras tiradas de programas infantis como Lazy Town, Bom Dia e CIA. Essas características são:
As letras não são nada poéticas, nada bem-construídas, nada criativas, são cheias de clichês e fórmulas ultrapassadas. A verdade verdadeira é que o Happy Rock nem faz música, faz barulho, um mero produto do supermercado musical.
A atitude, o discurso e o comportamento do gênero foi descaradamente copiado do Emocore, tirando a única coisa original que é a vestimenta. Os "Happys" vestem suas calças tamanho MP (Micro Pequeno) que usavam em seus 4 anos e as jogam num balde de Suvinil edição Deluxe Kids; pegam um óculos de sol verde (que eles chamam de Wayfarer), erguem com orgulho seu ursinho Pooh de pelúcia, e no final se exibem pra mamãe dizendo: "Mãaae eu sou rockkerru!


Nenhum comentário:

Postar um comentário