quinta-feira, 20 de outubro de 2011

A inveja


Existem pessoas que se colocam como cães de guarda, sempre alertas ao menor ruído. Basta alguém se destacar em alguma área, por menor que seja,  e lá estar o invejoso e sua confissão de inferioridade, pronto para apontar o dedo e tentar minimizar o feito de seu próximo. Um estilo, uma roupa diferente, um calçado da moda ou mesmo um brinco ou pulseira bem colocados,  já se torna motivo para elogios, nem sempre sinceros. 

Eis um dos sentimentos mais torpes e difíceis de serem eliminados da alma humana, a inveja, falta de capacidade do invejoso. Trata-se de um dos vícios que mais causa sofrimento a humanidade. Onde houver apego à materialidade das coisas, notadamente em seu significado, naquilo que o objeto de desejo simboliza em termos de bem-estar e status que, lá estar a inveja, sobrevoando os pensamentos mais íntimos, qual urubu ou abutre insaciável, esfomeado pela carniça.

Nenhum comentário:

Postar um comentário